Planilha de custos hospitalares

Está procurando por uma planilha de custos hospitalares que te ajude na gestão de custos de sua instituição?

Neste artigo você irá encontrar:

Quer ir direto para o download da planilha? Clique aqui!

O contexto dos custos em saúde

Não é de hoje que vemos os custos na área da saúde aumentando de forma acelerada, com índices de inflação bem acima do IPC-A, e sem nenhuma tendência de queda ou mesmo de estabilização.

Parte disso vem do nosso modelo de remuneração mais utilizado, o Fee for service, que acaba remunerando tudo que é consumido pelos pacientes, e muitas vezes incentivando o desperdício como consequência. 

Inegavelmente, muita ineficiência é causada por custos desnecessários e pela falta de gestão dos recursos. 

De fato, ainda há muitos hospitais que sequer conhecem os seus custos. 

Isso acontece pela complexidade da apuração dos custos de uma instituição de saúde e também pela falta de padronização em várias atividades de atendimento ao paciente.

Neste artigo, vamos mostrar como fazer a apuração dos custos de uma instituição de saúde de uma forma mais simples, disponibilizando uma planilha de custos hospitalares para download, com todas as fórmulas e especificações.

Ao final, explicaremos como funciona a metodologia de custeio por absorção, que tem uma maior complexidade, mas pode trazer outros prismas de análise e gestão. 

Custeio variável - O que é, qual sua importância e como utilizá-lo.

A metodologia de custeio variável, que também é conhecida como custeio direto, é muito utilizada por diversos setores, é uma metodologia simples e objetiva para se chegar no custo dos produtos e serviços produzidos.

Seu método baseia-se na separação de custos fixos e variáveis, tratando os custos fixos como despesas, e os variáveis como custos de produção.

Custos fixos

 

Conceitualmente, o custo fixo é aquele não varia conforme a produção, isto é, se eu tiver um paciente atendido, ou se eu tiver dez pacientes atendidos, o custo será o mesmo.

Como exemplo podemos citar os custos com pessoal. 

Imagine que eu tenha uma equipe de enfermagem alocada para atender a toda uma ala de internação. 

Todos os dias eu terei profissionais suficientes pra atender todos os leitos da ala, tendo somente um paciente internado, ou até mesmo tendo a ala totalmente ocupada. 

Por isso, temos essa característica de custo fixo.

Custos variáveis

 

Já os custos variáveis, como o próprio nome diz, variam proporcionalmente com a produção.

Isto é, se eu tiver um paciente atendido eu tenho um custo. Se eu tiver dez pacientes, eu terei dez vezes esse custo.

Um exemplo de custos variáveis são os materiais e medicamentos.

Eles só são consumidos quando eu tenho pacientes atendidos, e a cada paciente que eu atender, haverá mais consumo desses insumos.

Com isso, esse custo tem a característica de ser variável conforme a produção.

Margem de contribuição

 

Esse método produz um indicador muito importante, a margem de contribuição.

A margem de contribuição representa o quanto cada produto ou serviço gera de sobra de resultado, que contribui para que os custos fixos sejam pagos. 

Veja nosso artigo sobre EBITDA e Margem de contribuição para saber mais.

Com isso, para uma instituição ter lucro com determinado produto ou serviço, a margem de contribuição deve ser maior que os seus custos fixos.

Vantagens do método de custeio variável

 

A grande vantagem deste método é que conseguimos, de forma rápida, obter os custos diretos e a margem de contribuição. 

Isso permite rapidez na tomada de decisão, um panorama sobre os custos da instituição, além de uma rápida formação de preços, tomando como base os custos fixos e a demanda planejada de atendimentos. 

Outra vantagem é que, por ser simples, uma planilha de custos hospitalares pode obter informações pontuais, não necessitando de grandes sistemas de informação para apurar os custos.

Na área da saúde, temos uma grande proporção de custos fixos, o que torna ainda mais importante a obtenção e gerenciamento da margem de contribuição.

 

Planilha de custos hospitalares

A planilha de custos hospitalares que disponibilizamos a seguir tem o objetivo de obter os custos dos serviços de uma instituição de saúde, utilizando a metodologia de custeio variável, compondo os indicadores da margem de contribuição dos serviços e o lucro direto das atividades. 

Além disso, preparamos uma análise avançada de performance, onde será possível chegar em informações de ponto de equilíbrio e até mesmo fazer uma simulação na formação de preços de venda.

Essa planilha de custos pode ser utilizada por hospitais, clínicas, serviços de diagnósticos e qualquer outra instituição de saúde que deseje conhecer os seus custos.

Preencha para receber a Planilha por e-mail

Instruções para preenchimento da planilha

Instruções gerais para preenchimento da planilha de custos hospitalares:

Cada aba da planilha de custos hospitalares representa um centro de custo da Instituição, e portanto, você poderá abrir quantas abas forem necessárias para a sua análise dentro da realidade da sua Instituição.

A planilha “UTI Adulto” simula um exemplo de uma unidade de internação e deve ser utilizada como base para qualquer outra unidade de internação.

A planilha “Tomografia” simula um exemplo de um SADT de tomografia e deve ser utilizada como base para qualquer outro serviço produtivo da instituição, como SADTs, ambulatórios, prontos-socorros etc.

Campos da Planilha

Campos:

Instruções:

 

Centro de Custo:

Preencha aqui os dados do centro de custo que a análise está sendo realizada

 
 
   
   

Receita Bruta

 

 

Serviços hospitalares

Preencha nas colunas de competência as receitas com os serviços hospitalares do centro de custo que está sendo analisado. Agrupe receitas com diárias, taxas, etc.

 

Honorários Médicos

Preencha nas colunas de competência as receitas com os honorários médicos do centro de custo que está sendo analisado. Não entre com honorários que são pagos diretamente pelas operadoras aos médicos

 

Materiais e Medicamentos

Preencha nas colunas de competência as receitas com os materiais e medicamentos do centro de custo que está sendo analisado.

 

SADT

Preencha nas colunas de competência as receitas com os exames do centro de custo que está sendo analisado.

 

Receita SUS

Preencha nas colunas de competência as receitas SUS, se houver.

 

Total Receita Bruta

 

 

Deduções de Receita

 

 

Impostos (%)

Preencha o percentual de impostos que o hospital recolhe sobre a receita bruta.

 

Glosas (%)

Preencha um percentual de glosa estimado sobre o valor bruto faturado. Esse percentual pode ser baseado no histórico de glosas do hospital.

 

Total de deduções de receita em R$

 

 
 

 

 

Receita Líquida

Representa a receita líquida, ou seja, receita bruta – deduções de receita

 

% s/ Receita Bruta

Representa o percentual da receita líquida sobre a receita bruta

 
 

 

 

Custos Diretos

 

 

Custos com pessoal

 

 

Salários e ordenados

Preencha os dados referentes aos salários e ordenados dos colaboradores, que sejam base para o FGTS. Ex: salário base + saldo de salário + gratificação + insalubridade + etc. Importante: Não considerar décimo terceiro, nem 1/3 de férias

 

Encargos sociais

Preencha os dados referente aos encargos trabalhistas (1/3 férias, 13 salário, INSS, FGTS, rescisões), ou então faça uma estimativa percentual e calcule o valor sobre os salários e ordenados.

 

Benefícios

Preencha os dados dos benefícios pagos aos colaboradores do centro de custo. Ex: VT, VR, VA, etc.

 

Estagiários

Preencha os valores pagos aos estagiários.

 

Horas Extras

Preencha os valores pagos em horas extras aos colaboradores.

 

Outros custos com pessoal

Se houver algum outro custo com pessoal, preencha aqui.

 

Total de custos com pessoal

 

 

 

 

 

Custos com materiais

 

 

Materiais hospitalares

Preencha os valores de consumo de materiais hospitalares.

 

Medicamentos

Preencha os valores de consumo de medicamentos.

 

OPME

Preencha os valores de consumo de OPME.

 

Quimioterápicos

Preencha os valores de consumo de quimioterápicos.

 

Gases Medicinais

Preencha os valores de consumo de gases medicinais (oxigênio, ar comprimido, etc.).

 

Dietas enterais

Preencha os valores de consumo de dietas enterais.

 

Gêneros Alimentícios

Preencha os valores de consumo de gêneros alimentícios.

 

Materiais de limpeza

Preencha os valores de consumo de materiais de limpeza.

 

Materiais de escritório

Preencha os valores de consumo de materiais de escritório.

 

Materiais de Manutenção

Preencha os valores de consumo de materiais de manutenção.

 

Outros custos com materiais

Se houver algum outro custo com materiais, preencha aqui.

 

Total de custos com materiais

 

 

 

 

 

Custos gerais

 

 

Serviços de terceiros médicos fixo

Preencha os valores dos médicos terceirizados que recebem valores de maneira fixa.

 

Serviços de terceiros médicos produção

Preencha os valores dos médicos terceirizados que recebem valores de maneira variável, ou seja, por produção

 

Serviços de terceiros gerais

Preencha os valores de serviços de terceiros gerais que foram prestados.

 

Cursos e treinamentos

Preencha os valores de gastos com cursos e treinamentos.

 

Seguros

Preencha os valores de gastos com seguros de equipamentos ou predial.

 

Depreciação

Preencha os valores obtidos na depreciação de equipamentos ou predial.

 

Outros Custos Gerais

Se houver algum outro custo geral, preencha aqui.

 

Total de custos gerais

 

 

 

 

 

Total de custos diretos

Este total representa a soma de todos os custos diretos do centro de custo

 
 

 

 

Lucro direto da Atividade

O lucro direto da atividade representa a receita líquida – custos diretos do centro, e mostra o lucro bruto do serviço para o hospital.

 

% lucro direto s/  receita bruta

Representa o percentual do lucro direto sobre a receita bruta.

 
 

 

 

Margem de contribuição da atividade

A margem de contribuição representa a receita líquida – custos variáveis, e é um importante indicador que mostra quanto o serviço contribui para que os custos fixos sejam pagos.

 

% de margem de contrib. s/ receita bruta

Representa o percentual da margem de contribuição sobre a receita bruta.

 
 

 

 

Produção: Pacientes / dia

Preencha a produção do centro de custo. Ex: Unidade de internação: Pacientes/Dia, Centro cirúrgico: horas de cirurgia, SADTs: Número de exames, etc.

 

Ticket médio de receita

Representa a receita bruta unitária de cada unidade produzida.

 

Custo unitário

Representa o custo direto unitário de cada unidade produzida.

 

Margem de contribuição unitária

Representa a margem de contribuição unitária de cada unidade produzida, ou seja, o quanto cada produto contribui para o pagamento dos custos fixos.

 
 

 

 
 

 

 

Análise avançada de performance

 

 

 

 

Taxa de apoio/administrativa (%)

Preencha aqui a taxa para composição dos custos de apoio e administrativos. Essa taxa pode ser obtida pela relação dos custos de apoio e adm em relação ao custo total. Ela representa uma taxa para cobrir estas despesas

 

Valor da taxa administrativa

Representa o valor calculado da taxa administrativa. O percentual é calculado sobre o custo direto total do centro de custo

 

Resultado do centro de custo

Representa o resultado do centro de custo, embutindo a taxa administrativa, que em teoria, deve cobrir todos os custos de apoio e administrativos necessários para o funcionamento do serviço.

 

% resultado s/ receita bruta

Representa o percentual do resultado sobre a receita bruta do serviço.

 

Análise do Ponto de equilíbrio

 

 

Número de leitos

Preencha aqui o número de leitos (no caso de unidades de internação), ou então a capacidade operacional (no caso de outros centros de custo. Neste caso utilize a capacidade máxima do serviço em todo seu potencial produtivo).

 

Ponto de equilíbrio em produção

Representa o ponto de equilíbrio (break even) em unidades produtivas, ou seja, o quanto deve ser produzido para que o resultado do centro de custo seja igual a zero.

 

Ponto de equilíbrio em R$

Representa o ponto de equilíbrio (break even) em R$, ou seja, o quanto de receita deve ser produzida para que o resultado do centro de custo seja igual a zero.

 

% de produção no ponto de equilíbrio

Representa o percentual utilizado da capacidade produtiva na quantidade obtida no ponto de equilíbrio.

 

% de produção real

Representa o percentual real utilizado da capacidade produtiva total.

 

Simulação de preço de venda

 

 

% de lucro desejado

Preencha aqui o percentual de lucro desejado para formar o preço de venda da unidade produtiva do centro de custo.

 

Preço de venda unitário – simulado

Representa o preço de venda, com base no custo real e no percentual de lucro desejado. O cálculo é formado para que o resultado final seja baseado no percentual de lucro desejado.

 

Ponto de equilíbrio em produção com novo preço

Representa o ponto de equilíbrio (break even) em unidades produtivas, com o preço de venda ajustado ao lucro desejado.

 

% produção no ponto de equilíbrio

Representa o percentual utilizado da capacidade produtiva na quantidade obtida no ponto de equilíbrio ajustado ao preço de venda com lucro desejado.

 

 

Custeio por absorção

O método de custeio por absorção tem essa denominação, pois ele absorve todos os custos e despesas dentro da composição do custo de um produto. 

Ele é o método mais procurado no mercado pelas instituições de saúde.

Diferentemente do custeio variável, que considera apenas os custos diretos, o custeio por absorção requer uma série de regras para que todos os custos e as despesas sejam alocados da forma integral e justa na produção de um bem ou serviço.

Para isso, é necessário que cada área não produtiva tenha uma regra específica de rateio, para que seus custos e despesas sejam alocadas nas áreas que estão atendendo o paciente, ou seja, as áreas produtivas.

 

Vantagens e Desvantagens do custeio por absorção

Dentre as vantagens do custeio por absorção, podemos citar:

  • Integra todos os custos e despesas dentro do produto final.
  • Pode alocar de forma mais justa as despesas no custo final do produto.
  • Facilita a criação de uma cultura de gestão de custos, pois envolve todas as áreas da instituição.
  • Possibilita análises mais completas, com indicadores como por exemplo custos por centro de custo,  ponto de equilíbrio e margem de contribuição por centro de custo, custos dos produtos de cada centro, composição dos custos (administrativo, auxiliar e produtivo), demonstrativo de resultado por centro de custo, tudo isso considerando toda a custosa estrutura instalada de centros administrativos e auxiliares. 

Já dentre as desvantagens do custeio por absorção, podemos citar:

  •  Implantação mais complexa, exige esforço de todas as áreas e é fundamental a utilização de um bom sistema de gestão de custos
  •  Regras de rateio mal colocadas podem levar subjetividade ao custo do produto final.

Como vimos, o método de custeio por absorção tem boas vantagens, apesar de também exigir um nível de maturidade maior da instituição. 

O fato é que, diferentemente do custeio variável, que é simples e pode ser feito em planilhas de custo, o custeio por absorção envolve uma série de regras e cálculos complexos, que necessitam de um sistema de informação para serem organizados.

Se você quer conhecer melhor como apuramos o custeio por absorção, conheça o nosso sistema especialista em gestão de custos, o KPIH.

Sobre a NCI Soluções em Saúde

Somos especialistas em gestão hospitalar e desenvolvimento de sistemas. Nossa plataforma de gestão de custos hospitalares já ajudou mais de 400 instituições a visualizar seus gaps e melhorar seus resultados.

Em parceria com a ANAHP, desenvolvemos o SINHA, o principal sistema de coleta e acompanhamento e benchmark de indicadores para os hospitais privados do Brasil.

Entre em contato conosco, leia nosso blog e conheça nossa ferramenta de gestão de custos! Estamos à disposição para te ajudar, discutir sobre o setor, esclarecer dúvidas sobre nossos textos e nossa visão.